Acupuntura melhora a tolerância ao exercício em pacientes cardíacos

In: Notícias sobre Acupuntura

27 ago 2010

A acupuntura melhora a tolerância ao exercício em pacientes com insuficiência cardíaca crônica. Tal afirmação foi determinante em um estudo clínico piloto da equipe do Heidelberg University Hospital, na Alemanha, dirigida pelo médico Johannes Backs. As agulhas não aumentam a função de bombeamento do coração, mas parecem ter uma influência sobre a força muscular esquelética e, portanto, pode aumentar a distância percorrida por pacientes cardíacos durante uma caminhada. Os resultados do estudo clínico, realizado por meio da comparação de um grupo tratado com a acupuntura e outro tratamento com placebo, utilizando agulhas maçantes, foram publicados na revista médica “Heart”.

A fraqueza crônica do músculo cardíaco é uma das doenças mais frequentes e causas de morte na Europa. Falta de ar e cansaço causados por exercícios físicos são sinais da doença, que é muito mais complexa do que inicialmente se supunha.

Não é apenas o enfraquecimento da função de bombeamento do músculo do coração que é responsável pelos sintomas. O sistema nervoso vegetativo ou autônomo e várias substâncias transmissoras do nervo tornam-se desequilibradas, o que piora ainda mais o curso da doença. É precisamente aqui que a acupuntura pode intervir, trazendo estes processos de volta ao equilíbrio, que influencia o sistema nervoso autônomo simpático (excitação), estimula o sistema nervoso parassimpático (relaxamento), e também tem um efeito anti-inflamatório. De acordo com os pesquisadores, até agora não havia praticamente nenhum estudo avaliando se a acupuntura pode influenciar doenças potencialmente fatais como a insuficiência cardíaca.

Os cientistas examinaram os pacientes com insuficiência cardíaca que foram tratados com os medicamentos convencionais e estavam em condição estável. Além disso, os pacientes no grupo da acupuntura receberam dez sessões de acupuntura, focando os pontos que aumentam a força geral, de acordo com a Medicina Tradicional Chinesa, e que também são conhecidos por influenciar os sistemas nervosos simpático e parassimpático e os marcadores de inflamação.

O grupo controle foi tratado com placebo que utilizava agulhas especiais que simulam uma picada de agulha, mas não rompem a pele. Após essa terapia, os pacientes de acupuntura puderam cobrir uma maior distância de caminhada no tempo permitido, do que os pacientes do grupo placebo. Eles se recuperaram mais rapidamente e tenderam a se sentirem menos esgotados. No entanto, a capacidade de trabalho mensurável do coração manteve-se inalterada.

“A maioria dos estudos sobre a eficácia da acupuntura têm deficiências metodológicas, como não há controle do placebo e os participantes não estão vendados. Isto significa que os pacientes sabem qual tratamento que é dado e, portanto, podem ter certas expectativas”, de acordo com Backs. “Em nossos estudos, todos os pacientes achavam que tinham recebido a acupuntura real. A questão fascinante para o futuro será se, relativamente, a acupuntura de baixo custo pode melhorar o prognóstico para pacientes cardíacos a longo prazo.”

http://www.isaude.net/pt-BR/noticia/8751/ciencia-e-tecnologia/acupuntura-melhora-a-tolerancia-ao-exercicio-em-pacientes-cardiacos

Comente Aqui!

Sobre o Site

Este site tem o objetivo de divulgar notícias sobre a acupuntura, técnica milenar chinesa voltada para a saúde e bem estar da população e o atendimento de pacientes através do Dr. Márcio Ferreira.

  • Ana Célia: Também tenho neuropatia periférica gostaria de saber se a acumpultura da resultados já tomei var [...]
  • Luiz Antonio Pirovani: Meu filho tem problemas de deficit de atenção; e agora esta aparecendo um sintoma de esquizofrenia [...]
  • Sonia Reis: Gostaria de manter contato com Márcia Versiani , para saber quais fitoterápicos que ela usa! Por f [...]
  • Vitor Costa: Bom dia, Gostaria de saber onde fazer este tratamento de acupuntura em Portugal. Preferência zona [...]
  • Elisangela: Sueli! minha mãe também toma lyrica de 75 mg. Ela tomou a muito tempo o cabamazepina, mas quase mo [...]